crônica 32

Paz ou Briga?

Outro dia li um frase de autor desconhecido dizendo que gente precisa aprender a ignorar certas coisas porque comprar paz sai muito mais barato do que comprar briga. 

Fiquei com isto na cabeça por semanas. Seria esta a melhor solução pra um momento político, econômico e social tão difícil no nosso país ?Talvez. 

Será que tenho o direito de me manifestar estando fora do Brasil e sabendo que a população segue cada vez mais dividida com as estratégias de conter o caos ? Não sei.  

Mas parto do pressuposto que se a gente não levanter discussões o mundo vai permanecer do jeito que está e convenhamos: Ninguém está feliz. Nem mesmo os mais afortunados (pra não dizer a bolha de milionários ). 

A gente sofre com a falta de suporte na educação, com a falta de estrutura na saúde com o excesso de violência nas ruas e até mesmo diante da suposta segurança que julgamos encontrar dentro de muros de condomínios.

Não se engane caro amigo classe média , nada mais é seguro! Ninguém está immune ao caos do Rio.

Seja rico ou pobre,essa é talvez a primeira vez na história em que estamos todos no mesmo barco.

O acaso não é controlável. Fatalidades agora são regra e não mais exeção.

Daqui de longe , me parte o coração a cada vez que somos vistos nos noticiários internacionais como uma cidade tomada pelo caos.

E quem seria a salvação? 

Eu poderia gastar horas falando de política, destrinchando partidos, mostrando coligações políticos corruptas e articuladas que  destruíram uma nação. 

Mas o fato é que sempre vai ter quem queira brigar pelo bandido de estimação ou contestar o que é incontestável... Fomos roubados , subestimados, todos perdemos.  

Talvez eu até ignore certas coisas , comprar paz sai mesmo bem mais barato do que comprar briga , mas não podemos comprar o silêncio ou omissão nesta altura do campeonato.

Só o que nos resta é dialogar. Se expressar é o único direito que não nos foi roubado, então não dá pra desistir agora certo?!

 

Taynara Prado - Rio de Janeiro - 2017-Todos os direitos reservados no EAD - Escritório de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro 

Taynara Prado