crônica 33

Nova York

 Felizmente não preciso mais de permissão para odiar Nova York! Um absurdo dizer isto heim?

Pra mim não! A idade faz você perceber que viver em busca da validação dos outros não muda em nada a forma como você se sente.

No meu caso, aceitei o fato de que odeio Nova York,  também aceitei o fado que passarei um tempo da minha vida aqui e por isto vou conviver bem com as duas verdades.

Já não me sinto mais culpada quando alguém me diz em tom de deboche  : Sofrer em Nova York deve ser tão difícil né ? É difícil sim cara pálida! 

Por favor não me julgue se você  é um turista vindo á selva de concreto a cada seis meses....

Não me julgue se você só se hospeda em um hotel quatro estrelas, sem hora pra acordar, com panquecas no café da manhã e serviço de concierge full time. 

Não me julgue se você só usa um bilhete de metrô fora do horário de rush, sem baldiaçôes, sem conexões , apenas um breve e agradável passeio na ilha de Manhattan. 

Não me julgue se voce provavelmente só visita  o Empire State Building para apreciar a bela vista ou passeia pelo Central Park e faz compras na quinta avenida enquanto se encanta com os táxis amarelos...

Por favor, só por hoje, pare de glamourizar Nova York e aceite meu desabafo por um minuto...

Hoje acordamos com mais uma nevasca dessas dignas da cidade inteira não poder sair de casa.

Já completamos 180 dias com temperaturas entre -17 e 5 graus.

Há seis meses não temos mais do quee 40 minutos por dia de luz solar. Seis meses, usando ropas térmicas, luvas e botas hipermeáveis. 

Se você nunca viveu isto, por favor não me julgue... 

Você não é um New Yorker. É apenas um turista. 

E ser turista meu amigo em qualquer lugar do MUNDO é tudo de bom! 
 

Taynara Prado - Rio de Janeiro - 2017-Todos os direitos reservados no EAD - Escritório de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro

Taynara Prado