Escolhas

No fundo da minha alma habita uma tristeza profunda chamada desencontro. 

Há alguns anos me desencontrei de algumas pessoas de quem guardo profunda tristeza mas nenhum rancor. 

Segui em frente decepcionada e levei  anos para entender que o perdão não restabelece uma relação. Ele apenas te liberta dela.

E foi perdoando que plantei novas sementes colhi frutos abençoados  e aí me dei conta de que tantos anos haviam se passado... era tarde demais pra nós.  

Me pergunto eventualmente se você ainda pensa em mim. 

Me pergunto o porque de não ter realmente lutado para estabelecer o laço que você negligentemente cortou. 

Me pego lembrando de uma outra história bacana que vivemos em meio a tanta coisa ruim.

Amar o belo , o perfeito ... é fácil , é simples. 

Amar  o difícil , o complicado... é que tarefa digna de evolução espiritual incomparável. 

Mais difícil do que brigar com você  , foi sem dúvida desistir de você.  

Duas décadas se passaram entre a eterna culpa de te manter por  perto e não ser feliz  ou de ser feliz sem você por perto. 

Escolhi. Não ganhei, não perdi. 

Decisão dolorosa de uma alma profunda que prezou pela própria sanidade emocional. 

Segui adiante no meu próprio percurso com a certeza que a vida nem sempre é um conto de fadas mas que de fato  ela sempre segue.

Taynara Prado - Rio de Janeiro - 2017-Todos os direitos reservados no EAD - Escritório de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro